Caso não consiga visualizar, aceda aqui



     
Fogo, Sul e Cisnes   Buy this print
     
Editorial
15 anos

No trabalho do Fernando Guerra um dos objectivos é que a arquitectura que estudou, e que hoje fotografa, o faça ficar mais perto daquilo que para si foi sempre uma prioridade, que é fotografar pessoas no seu ambiente, seja a trabalhar ou em passeio. Foi sempre o tema central das suas fotografias e continua hoje a ser o tema permanente nas fotografias que faz, quer quando trabalha na reportagem sobre uma aldeia, um prédio ou um automóvel.
Em 1999 não era habitual o elemento humano nas imagens de arquitectura que se queriam quase sempre vazias, mas hoje o estranho é quando estão despidas de gente. As pessoas contextualizam a obra e, acima de tudo, mais do que uma questão de escala, dão-lhe sentido.

Nesta newsletter abordamos esse tema com duas histórias que mostram a relação entre o edifício e quem o habita. A primeira galeria mostra o singular e recém inaugurado edifício do atelier OTO, no Parque Natural da Ilha do Fogo, em Cabo Verde, e a segunda, os bastidores e os bailarinos do espectáculo "O Lago dos Cisnes" apresentado pela Companhia Nacional de Bailado e cujos figurinos foram assinados por José António Tenente.

O mesmo fotógrafo, a mesma abordagem, em escalas e objectivos muito diferentes. O resultado final, em ambos os casos, são imagens que contam uma história sem legenda onde as pessoas são sempre as protagonistas.

Novidade é também o lançamento da nossa nova colecção de acessórios fotográficos FG edition em parceria com a marca portuguesa SUL. Nesta primeira fase apresentamos uma linha de alças produzidas à mão para máquinas fotográficas, fazendo parte desta colecção inicial onze peças desenhadas como objectos que nos acompanham e que envelhecem connosco.

Hoje trocamos quase tudo o que usamos, sem pensar. Seja um telefone, uma televisão ou uma máquina fotográfica, tudo é descartável… Da dúvida do Fernando sobre a possibilidade de existirem objectos que possam permanecer e fazer, para sempre, parte da nossa história pessoal, nasceu a ideia da produção desta colecção. Ao usar uma das alças FG edition percebe-se o cuidado com que foi feita, unindo um desenho novo à tradição da manufactura portuguesa.

A partir dos modelos do Fernando, que desenha exclusivamente aquilo que quer usar, peças cortadas individualmente de uma pele escolhida por si, são depois cosidas à mão por artesãos com todo o tempo e perfeição, o que faz delas uma experiência que transcende as alças sem alma que vêm com qualquer máquina fotográfica. Detalhes? Sim, são apenas detalhes. Mas na maioria das vezes são esses pequenos detalhes que fazem o nosso dia melhor.

Existem novos produtos em desenvolvimento a ser testados pelo Fernando nas suas viagens. As alças são apenas o princípio desta terceira história que contamos aqui.

Com esta newsletter assinalamos ainda os 15 anos de FG+SG.
Tem sido uma viagem singular. Obrigado.

Sérgio Guerra
  Editorial
15 years

One of the objectives of Fernando Guerra’s work is that the architecture he studied and today photographs brings him closer to what has always been a priority for him: photographing people in their environment, be it working or walking. It has always been the central theme of his photos and continues today to be the permanent theme in the photographs that he shoots, whether it’s a piece about a village, a building or a car.
In 1999, the human element was uncommon in images of architecture that almost always were supposed to be empty, but today it is strange when such images are devoid of people. People contextualize architecture and give it meaning, over and above questions of scale.

In this newsletter we address this issue with two stories that show the relationship between a building and its inhabitants: the first gallery shows the unique and newly opened studio building OTO in Fogo Island Natural Park, in Cape Verde; the second shows the backstage and dancers of "Swan Lake", presented by the Portuguese National Ballet Company, whose costumes were signed by José António Tenente.

The same photographer, the same approach, but on very different scales and with different objectives. In both cases, the end result consists of images that tell a story without subtitles in which people are always the protagonists.

Another novelty is the launch of our new collection of photographic accessories FG Edition in partnership with the Portuguese brand SUL. In this first phase we present a line of handmade straps for cameras as part of an initial collection of eleven pieces designed as objects to accompany and age with the photographer.

Today we replace almost everything we use without thinking. Whether it’s a telephone, a television or a camera, everything is disposable ... From the seeds of Fernando’s doubt about the possibility of objects remaining forever part of our personal history, grew the idea of ?creating this collection. In using one of the FG Edition straps, one notes the care that was taken in its manufacture, uniting new design with the tradition of Portuguese manufacturing.

Based on Fernando’s models, designing only what he wants to use, individually cut pieces of leather chosen by you, and then hand sewn by craftsmen in due time and according to perfection, making them an experience that transcends the soulless straps that come with almost any camera. A mere detail? Yes, it is. But most often it is the little details that make our day better.

New products are being developed for testing by Fernando during his travels. The straps are just the beginning of this third story that we are telling here.

With this newsletter, we also mark 15 years of FG + SG. It has been a unique journey. Thank you.

Sérgio Guerra
 



 
Três dias no Fogo
Three days in Fogo Island

Oto arquitectos | Parque Natural da Ilha do Fogo, Cabo Verde

 

Full story

 

Parque Natural da Ilha do Fogo, Cabo Verde
Oto arquitectos

"Na Ilha do Fogo, a 1800 m de altitude, dentro da cratera do vulcão, está fixada uma povoação com cerca de 1200 pessoas, à margem da legalidade, ocupando terrenos do Estado, onde organizam as suas actividades principalmente agrícolas, garantido a sua sobrevivência numa das mais pobres zonas de Cabo Verde.

O estatuto de área protegida de interesse nacional forçou a delimitação de zonas de cultivo, com limites de construção e introdução de normas, contrariando a ocupação livre da povoação, gerando colisões de vontades e interesses com confrontos frequentes.

O Projecto da Sede do Parque Natural do Fogo, nasce das necessidades da consolidação da identidade de uma área protegida e da conciliação da povoação com a nova gestão do Parque.

Assim, foram concebidos e criados espaços de lazer e culturais para usufruto tanto dos habitantes de Chã das Caldeiras como de visitantes; espaços de trabalho também foram criados para a fixação de técnicos ligados à gestão e tratamento da área protegida.

A paisagem natural, muito marcada pelo vulcão e cratera, é de uma beleza única e rara, com potencial para vir a alcançar estatuto de património mundial. Neste contexto, a ideia base passou por projectar um edifício de modo a ser parte da paisagem e a paisagem ser parte do edifício, havendo como que uma fusão de peles escuras.

De dia os muros compridos desenham o edifício e cozem-se com a estrada criando um labirinto e jogos de sombra.
De noite qualquer luz é demasiada, pelo que para proteção das aves autóctones, toda a iluminação é indireta.

Os desafios da escassez de recursos locais tornaram-se em oportunidades e, desta forma, o edifício foi feito pela população e para a população, utilizando técnicas e materiais locais.

Para colmatar a não existência de qualquer rede pública, o edifício tem a autonomia energética garantida com energia solar e a rede de águas é dupla, aproveitando a água das coberturas e as águas da utilização diária complementada com grandes depósitos, abastecidos anualmente com recurso à pluviosidade.

Todo o edifício é envolvido por rampas e espaços com espécies vegetais representativas do parque natural que se estendem para o exterior do edifício, fundindo-o com a envolvente.

O edifício é dividido em duas zonas; Zona cultural composta por auditório coberto, auditório aberto, biblioteca e bar esplanada; Zona Administrativa composta por salas de reuniões, salas de trabalho, laboratório e áreas técnicas.

Com a sede em funcionamento, está valorizado o Parque Natural do Fogo, acrescentando algo mais aos tecidos social, cultural e económico da Ilha, passando a integrar e a valorizar de uma forma harmoniosa todo o espaço envolvente; a sede é para ser sentida como uma nôs cása nas terras de Djarfogo".

Oto arquitectos



Fogo Island Natural Park, Cape Verde
Oto arquitectos


"On Fogo Island, at 1800 meters of altitude, in the crater of the volcano, there is a village with about 1200 people living on the fringes of legality, occupying lands of the state where they organize mainly agricultural activities, ensuring their survival in one of the poorest areas of Cape Verde.

The status of protected area of national interest forced the zoning of farming, with limitation to construction, and introduced rules against the free occupation of the town, generating collisions of interests with frequent clashes.

The Project of the Headquarters of Fogo’s Natural Park was born from the need to consolidate the identity of a protected area and to conciliate the population with the new park management.

Accordingly, we designed and created spaces for cultural and recreational enjoyment for both residents of Chã das Caldeiras as for visitors; Workspaces were also created for employing technicians that will be responsible for the management and treatment of the protected area.

The natural landscape, deeply marked by the volcano and its crater, is a unique and rare beauty, with the potential to become a world heritage site. In this context, the basic idea was to design a building so as to be part of the landscape and the landscape being part of the building, and to have sort of a melting of darker skins.

During daytime, the long walls shape the building and blend with the road creating a maze and a mix of shadows. At night, bright light is avoided, so to protect the native birds, all lighting is indirect. The challenges of shortage of local resources became an opportunity and, therefore, the building was made by the people and for the people, using local materials and techniques.

To address the lack of any public utility grids, the building has a guaranteed energy independence with solar energy as the main source and a double water grid; water is taken from the roofs and daily used water supplemented with large deposits, stocked annually after the rainy season.

The whole building is surrounded by ramps and spaces with representative plant species of the natural park extending to the exterior of the building and merging it with the surroundings.

The building is divided into two zones: Cultural Zone - composed of a covered auditorium, an open auditorium, library and terrace bar; Administrative Zone - comprises meeting rooms, offices, laboratory and technical areas.

With the Headquarter fully operational, the Natural Park is increasingly valued, which contributes to enrich the social, cultural and economic sectors of the island, starting to integrate and enhance in a harmonious way the surrounding space. The head office is to be felt as nôs cása in the land of Djarfogo".

Oto arquitectos

     



 
SUL
FG Edition
 

Full story

 
FG Edition é uma linha de acessórios de fotografia desenhada pelo fotógrafo português Fernando Guerra

"Privilegiamos a simplicidade e perfeição. As nossas alças resistem ao tempo e ao peso da sua máquina fotográfica. São executadas à mão, por artesãos, em edições limitadas, numa pequena aldeia perto de Lisboa. Alças que envelhecem desgastando-se nas suas viagens, marcadas pelo toque das mãos, pescoço, suor e sol. Acompanham-no no registo de momentos únicos, gravados, não como pixéis, mas como tatuagens sobre a pele. Alguns modelos podem apresentar irregularidades, imperfeições e cicatrizes na pele, próprias de um curtimento sem tratamento". in Sul Bags


A linha de acessórios está disponível em sul-bags.com
  FG Edition is a line of photo accessories designed by portuguese photographer Fernando Guerra

"We favour simplicity and perfection. We make straps that endure the test of time and the weight of the camera. They are manufactured in limited editions in a small village near Lisbon using leathers that truly inspire us. Leather that ages along with your travels and becomes worn and marked with the repetitive touch of hands, neck, sweat and sun. Along with your camera, they keep you company, collecting moments, recorded not as pixels but as tattoos on its skin. Simple straps, inspired and designed by a renowned photographer. And called FG Edition. Because we only use natural leather, it might have minor color or shape irregularities in the same strap. We call it, history". in Sul Bags

The line of photo acessories is available at sul-bags.com
 



 
O Lago dos Cisnes
Swan Lake Ballet

Companhia Nacional de Bailado

 


Full story

O Lago dos Cisnes

Companhia Nacional de Bailado

A Companhia Nacional de Bailado apresenta nesta temporada uma curta série de espectáculos de ‘O LAGO DOS CISNES‘ uma nova produção estreada no ano passado e que conta com os figurinos assinados por JOSÉ ANTÓNIO TENENTE.

De 17 a 25 de Maio
Teatro Camões, Lisboa

 




 
     
FG+SG ARCHITECTURAL PHOTOGRAPHY
NEWSLETTER #25
JUN 2014
ATELIER: FG+SG Fotografia de Arquitectura
Av. de Roma nº72 - 2ºDto - R
1700-350 Lisboa Portugal
For further information please contact Sérgio Guerra
EMAIL: info@ultimasreportagens.com
PHONE: +351 916 551 164
Follow us on
     

A FG+SG Fotografia de Arquitectura respeita a sua privacidade conferindo-lhe o direito, se desejar, de remover o seu email da nossa mailing list.
Para tal, envie um email para unsubscribe@ultimasreportagens.com com a seguinte mensagem: unsubscribe newsletter.